Ano

Artistas

País

Materiais

Parceiros

Cristina Mejias

Spain

vidro, madeira, ferro, material eletrónico, latão, pintura de poliureia

Matadero Madrid, BF Glass Studio, Eneida Tavares

Cristina Mejias

open call / Los aprendices errantes

Cristina Mejías (1986, Jerez de la Frontera, Espanha). Formou-se em Belas Artes pela European University of Madrid e pela NCAD (Dublin, IR). Mais tarde, desenvolveu parte de sua prática artística em Berlim, onde residiu por quatro anos. Posteriormente, obteve um mestrado pela Universidade Complutense de Madrid, onde atualmente vive e trabalha.

Recentemente, realizou exposições individuais em instituições e espaços internacionais como o Museu Patio Herreriano (Valladolid, ES, 2023), Centro de Arte Párraga (Murcia, ES, 2021), Teatro La Capilla em colaboração com Víctor Colmenero (CDMX, MX, 2021), Museu Provincial de Cádiz (Cádiz, ES, 2020), Museu Provincial de Jaén (Jaén, ES, 2020), Fundação Blueproject (Barcelona, ES, 2020), Museu de Arte Contemporânea de Zulia|MACZUL (Maracaibo, VZ, 2018), entre outros.

Entre os prêmios recentes, destacam-se o Prêmio Illy ARCO Fair 2023, o Primeiro Prêmio do Concurso Internacional de Artes Visuais IX edição Obra Abierta, o Prêmio Fundação ARCO 2022, o Prêmio Comunidad de Madrid para Jovens Artistas na ARCO Fair 2022, o Prêmio Generación 2020, Fundação Blueproject, Bolsa de Criação em Artes Visuais 2022 da Comunidade de Madrid e o VEGAP XXIII.

Recentemente, foi selecionada para uma residência artística no ArtWorks, No entulho no Porto (PT) graças a uma colaboração com o Matadero Madrid. Anteriormente, foi artista residente no Pico do Refúgio (Ilha de São Miguel, Açores, PT), Volcánica (Guadalajara, MX), Fundação Blueproject (Barcelona, ES), Hangar Lisboa (Lisboa, PT), C3A (Córdoba, ES), Tabakalera (Donostia, ES), Ateliers dos Coruchéus (Lisboa, PT) e Museu de Arte Contemporânea de Zulia, MACZUL (Maracaibo, VZ).

O seu trabalho pode ser encontrado em coleções como a Fundação ARCO, o Museu CA2M Centro de Arte Dos de Mayo, o Centro Andaluz de Arte Contemporânea|CAAC, a Coleção Jorge M. Perez, Miami (EUA), Coleção Kells e DKV, entre outros.

(Esta residência realizou-se em parceria com o Matadero Madrid, Centro de residencias artísticas, e finalizou com uma mostra no Matadero Madrid, Centro de criação contemporânea) 

Este projeto reflete sobre como o conhecimento é produzido, como ocupa um corpo e é transferido através da intersubjetividade que ocorre em qualquer troca. Observa a existência de dois fenômenos que ocorrem na natureza, cada um no avesso ou no reverso de nossa linha do horizonte.
Por um lado, há um canto no mar que, desde que as baleias jubarte habitam os mares e oceanos, circula ao redor da Terra. Nos seus encontros corais, mudanças subtis são introduzidas e incorporadas ao hino da manada. Todos os membros da comunidade aprendem a versão mais recente, mesmo que ela mude rapidamente. Dessa forma, a oralidade de sua canção faz com que ela mute continuamente. Assim, com esta forma circular a história delas é alternada constantemente.
Além disso, parece que as baleias do mundo compartilham informações acústicas, algo como se estivessem a cantar fragmentos da mesma canção. Gerando uma melodia circular ao redor da Terra, um grupo termina a canção onde outro começa. Como se fossem as trovadoras dos fundos submarinos, recitam histórias que não são codificadas geneticamente, mas aprendem e coletam ao longo de suas vidas. Numa espécie de pacto intergeracional, todas aprendem as canções e suas mudanças, de modo que ela evolui continuamente e é transmitida a populações distantes.
Por outro lado, um fenômeno semelhante ao do oceano ocorre no reflexo do seu espaço, o espaço aéreo, onde o bater de asas de uma multidão de corpos que se movem em uníssono produz murmurações. São coreografias aéreas protagonizadas por estorninhos que, em perfeita sincronia coletiva e sem uma figura líder que os dirija (ao contrário de outras aves como patos ou gansos), pintam o céu com uma variedade de formas sob um tumulto que, curiosamente, se assemelha profundamente ao som do vai e vem das ondas do mar. Nessas reuniões, cada indivíduo está em relação com os seis companheiros mais próximos no espaço. Dessa forma, qualquer interação de um animal é percebida e transmitida aos seus seis vizinhos, que por sua vez o comunicam a outro conjunto de sete e assim por diante. O sussurro atravessa os corpos e chega transformado a cada membro da comunidade.
Este projeto observa esses dois fenômenos como maneiras alternativas de contar a nossa história, onde a construção da narrativa aceita uma série de deslizes, balbuceios e fragilidades como testemunhas válidas de seu tempo. O objetivo será a construção de uma instalação escultórica composta por diferentes elementos suspensos, onde a manipulação de um implica a pulsação de outro e o peso de um corpo, como num compasso magnético, gera uma tensão que sustenta outro corpo.

Créditos

colaboração com Víctor Colmenero
oficina de vidro com Nelson Figueiredo
oficina de corda e bunho com Eneida Tavares

partner Matadero Madrid

resources: madeira, poliureia, latão, vidro, bunho, corda e material electrónico
format: open call
photo & video: Bruno Lança