Ano

Artistas

País

Materiais

Parceiros

Frida Baranek

Brasil

aço, inox, latão, ferro, cimento, borracha, material eletrónico, betuminosas, motorização, pedra, máquinas de soldar, vidro

Frida Baranek

casa aberta / untitled

Frida Baranek trabalha predominantemente com escultura, mas também com desenho e gravura, técnicas com as quais a produção escultórica estabelece certa relação formal. Frequentemente utiliza materiais industrializados, como filamentos de ferro e aço, placas e vergalhões, muitas vezes oxidados, em contraste com elementos naturais, como pedra e madeira, tornando visível a contradição entre a impessoalidade da matéria e a delicadeza de suas esculturas. São reconhecíveis as estruturas que remetem a redemoinhos, emaranhados e até mesmo destroços, como os fios delgados de metal embolados e aparentemente frágeis, mas que no processo acumulatório criam volumes rígidos onde a matéria mais leve parece sustentar a mais pesada, revelando o interesse da artista por questões relacionadas ao equilíbrio e ao desequilíbrio. As esculturas de Baranek podem assumir configurações diferentes em cada espaço onde são remontadas, investindo-se de uma indeterminação morfológica que convida à participação.

Frida Baranek estudou escultura com João Carlos Goldberg e Tunga na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Formou-se em arquitetura pela Universidade Santa Úrsula, no Rio de Janeiro, em 1984. Cursou pós-graduação em escultura pela Parsons School of Design, em Nova York, e mestrado em Design Industrial na Central Saint Martins, em Londres. Mudou-se para Paris na década de 1990, em seguida para Berlim e, em 2002, para Nova York. 

Em 2013, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro apresentou a exposição “Confrontos”, uma retrospectiva do trabalho de Baranek. Participou de exposições na Bienal de São Paulo (1989); Bienal de Veneza (1990); Museu de Arte Moderna de São Paulo (1995,1988); Museu Ludwig (Alemanha, 2005), além de muitas outras. Faz parte de coleções públicas e privadas, como a coleção de Patrícia Phelps de Cisneros (EUA); National Museum of Women in the Arts (EUA); LEF Foundation (EUA); BusanPusan Metropolitan Art Museum (Coreia do Sul); Museus de Arte Moderna do Rio de Janeiro e de São Paulo; Museu de Arte do Rio, entre outras. A Galeria Raquel Arnaud representa Frida Baranek desde 1990.

Créditos

recursos: ferro, aço, vidro, latão, betuminosas, latão, material electrónico, motorização
formato: casa aberta
fotografia e vídeo: Bruno Lança e Bernardo Bordalo